Festival Eurovisão da Canção: Portugal no final da tabela, Israel favorita

Cláudia Pascoal e Isaura não têm muitos fãs

0
1616

A canção portuguesa ocupava esta segunda-feira o 22.º lugar na lista de preferências dos apostadores. A atuação favorita continua a ser a de Israel, que lidera a tabela desde o dia 11 de março.

 

Depois de ter vencido, pela primeira vez, o Festival Eurovisão da Canção em 2017, Portugal poderá ficar num dos últimos lugares este ano, a avaliar pela média de várias casas de apostas, calculada pelo ‘site’ eurovisionworld.com. Portugal, que concorre com a canção O Jardim, interpretada por Cláudia Pascoal e composta por Isaura, ocupava esta segunda-feira o 22.º lugar na lista de preferências dos apostadores, na qual se mantém em primeiro lugar, desde 11 de março, o tema de Israel, Toy, interpretado por Netta.

A canção que representa Portugal no concurso, um ano depois de o país se ter sagrado vencedor pela primeira vez, com Salvador Sobral e Amar pelos Dois, foi escolhida a 04 de março, na final do Festival da Canção. No dia 05, a música ocupava o 21.º lugar na lista de preferências dos apostadores, tendo a 22 de março atingido o 16.º lugar. Ao longo o mês de abril, O Jardim foi oscilando entre o 17.º e o 19.º lugar, tendo em maio baixado para o 22.º. No entanto, quando no ‘site’ eurovisionworld.com é perguntado aos internautas quem irá vencer o festival, Portugal surge em terceiro lugar: até esta segunda-feira 18% escolhem Israel, 09% a Grécia e 06% Portugal.

A LS BET é uma das casas de apostas desportivas que está a permitir apostas no maior certame de música aqui.

Está a pagar 6.5 euros por cada euro aposta na vitória de Israel, como se disse o país favorito a ganhar a partida.

Mas nesta casa de apostas a tedencia de aposta está para a canção da Noruega.

Por vim, a LS Bet está a pagar 100 euros por cada euro apostado na vitória de Cláudia Pascoal e Isaura.

Já tens uma canção favorita? Regista-te aqui e aposta na LS Bet.

A 63.ª edição do concurso é disputada por 43 países, chegando apenas 26 à final, marcada para sábado na Altice Arena, no Parque das Nações. Portugal, por ser o país anfitrião tem entrada direta para a final, não tendo de competir nas semifinais, que decorrem na terça e na quinta-feira, também na Altice Arena. Além de Portugal, outros cinco países têm entrada direta na final, os chamados ‘Big 5’ – Alemanha, Reino Unido, França, Espanha e Itália -, os países que contribuem com mais verbas para a European Broadcasting Union (EBU, na sigla em inglês), que organiza o concurso.

Até Salvador Sobral ter vencido o concurso no ano passado, em Kiev, Portugal nunca tinha passado de um sexto lugar. Portugal participou a primeira vez em 1964, tendo falhado cinco edições (em 1970, 2000, 2002, 2013 e 2016). Das 49 canções portuguesas que concorreram ao Festival da Eurovisão, dez ficaram nos dez primeiros lugares.

A primeira vez foi em 1971, com a música Menina do Alto da Serra, interpretada por Tonicha, a conseguir alcançar um 9.º lugar. Nos dois anos seguintes, Portugal manteve-se nos dez primeiros lugares com “A festa da vida” (7.º lugar), interpretada por Carlos Mendes, e Tourada (10.º), cantada por Fernando Tordo.

Ainda na década de 1970, Portugal conseguiu um 9.º lugar com Sobe, Sobe, Balão Sobe, interpretada por Manuela Bravo, em 1979. Um ano depois, já nos anos 1980, José Cid conseguia alcançar o 7.º lugar do pódio, com Um Grande, Grande Amor. Na década de 1990, além do 6.º lugar de Lúcia Moniz, Portugal ocupou três vezes lugares no ‘top tem’: em 1991, com Dulce Pontes e Lusitana Paixão (8.º lugar), em 1993, com Anabela e A Cidade (até ser dia) (10.º), e, em 1994, com Sara Tavares e Chamar a Música (8.º).

Entre as piores classificações portuguesas de sempre no Festival Eurovisão da Canção estão três últimos lugares: António Calvário com Oração, que obteve zero pontos, em 1964, Paulo de Carvalho com E Depois do Adeus, com três pontos, em 1974, e Célia Lawson com Antes do Adeus, com zero pontos, em 1997. Ao longo dos anos, as músicas que representaram Portugal foram em larga maioria cantadas em português, com exceção de três anos: 2005, 2006 e 2007.

Em 2005, Portugal concorreu pela primeira vez com uma música cantada parcialmente em inglês. Em Coisas de Nada (gonna make you dance)”, interpretada pela ‘girlsband’ Nonstop, o refrão era em inglês. No ano seguinte os 2B (Rui Drumond e Luciana Abreu) levaram ao festival Amar, uma música cantada maioritariamente em inglês. Já a música que representou Portugal no concurso em 2007, Amar, de Sabrina, tinha uma letra maioritariamente em português, mas com algumas frases em francês, espanhol e inglês.

Vê já os 10 favoritos à vitória final:

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA